29 outubro 2006

Mais uma poesia

Fiz essa poesia para uma amiga minha dar a outro amigo meu...
Hoje até que dá certo comigo... (com algumas modificações)




Ódio

Abomino o teu jeito de falar comigo,
Enigmático, risonho, cínico...
Também odeio tua risada irônica.

Malquisto contigo por não me dar atenção,
Sabes que nosso tempo é tal qual um grão.
E por isso receio quando ficas ausente.

Repugno-te nas vezes que não me ajudas.
Estonteante, perdida, fico muda.
Detesto ao passo que não me entendes.

Antipatizo o modo que ficas a me olhar.
Desconcerta-me, embora não seja vulgar...
Mas tenho horror quando me fazes de boba.

Zango-me sempre que me dá um fora.
Minha paciência nesses momentos estoura
E recuso-te, no que me causa choro.

Mas acima de tudo, inimizo-me.
Pois apesar de tudo...
Desgraça! Desejo-te!

3 comentários:

mauricio_oliveira disse...

* 100%

Anônimo disse...

Como diria um professor qualquer: é um parádoxo de sentimentos. Não vou dizer que essa poetisa tem futuro, isso seria demais (errado). Diria: essa poetisa está pronta para ser conhecida no mundo das artes.
Valeu!

Ts

Mau formiga disse...

ódio = 1%
amor = 99%

???

=P

Coleção Pingos de Quê - by Magaliana