27 janeiro 2011

Assim nasce uma plaquinha...


Era uma GALINHA mesmo!



(Piada do Renato_Batata)

17 janeiro 2011

Sobre blogs pessoais

(Ou sobre a falta de compromissos com blogs pessoais)

Gente, não faço a mínima ideia se alguém já percebeu que eu quebrei a promessa de postar religiosamente todos os dias. Bom, não acho que eu deva me importar mesmo com isso, mas achei curioso comentar a respeito. É impossível levar um blog pessoal a sério se você não tem interesse em transformá-lo em algo profissional! Simples assim. Se o blog vira obrigação, ele fica chato, e desinteressante, principalmente porque você cria uma necessidade inútil de obrigar todos que conhece a ler seu blog e implorar por um comentário para se sentir estimulada a continuar postando. É muita humilhação. Falo isso porque fiz, isso mesmo, fiz e assumo minha humilhação.

Esse blog tinha o intuito de ser meu diário, meu caderno de rabiscos, meu momento de desopilação... E eu estou fugindo dele! Sim, estrou fugindo dele porque ele simplesmente deixou de ser tudo isso que descrevi! Ele passou a ser uma fonte inesgotável de frustração, que nem é minha, mas das pessoas que acham que todo blogueiro deve necessariamente levar seu blog a sério e postar sempre coisas super legais, e ser bem visitado para que seja importante.

Bom, queridos amigos, continuarei a postar quando eu bem quiser, do jeito que eu quiser, com o que eu quiser, de forma que ele volte a ser o que era para mim: um IMPORTANTE meio de desopilar e mostrar aos amigos o que eu quiser.

O post está fraco, sem muito argumento, mas por hoje é só, pessoal. Até porque, esse post nada mais é do que uma verborréia terapêutica para mim. =D

14 janeiro 2011

Um doce para quem adivinhar quem é...

Desenho que estou desenvolvendo para um lance aí... dou um doce para quem adivinhar quem é esse sujeito cabeludo aí... kkkkkkkkkkkkkkkkk
Até porque confesso que estou achando super diferente, olhando bem... E aí? Quem é?


12 janeiro 2011

Sobre sonhos


Há muitas coisas preciosas na vida de um ser humano, mas existe uma coisa valiosíssima que poucas vezes damos a devida atenção... e eu não estou falando da família, e dos relacionamentos, porque falando sinceramente, eu acredito que ao contrário do que se prega por aí, os seres humanos são sim, super preocupados com seus relacionamentos. Não fosse isso, não haveria tanto mercado voltado somente para isso. O único problema é que, tomado pelo imediatismo de hoje em dia, e pelos apelos publicitários, acabamos demostrando menos...

O tempo, também não é. Nós, seres humanos na verdade nos preocupamos tanto com o tempo, que acabamos deixando de viver plenamente simplesmente porque não teremos tempo para fazer aquela outra coisa importante. E nós sabemos que somos mortais... Mortais até demais!

A preciosidade sobre a qual quero falar hoje é o sonho. O ser humano tem tantas responsabilidades e distrações ao longo da vida, que antes mesmo de sair da infância já pode esquecer os seus sonhos. Sim, sonhos, bons sonhos, podem nascer na infância e serem seguidos por uma vida inteira. E se, a pessoa que o seguir, levar a sério suficientemente para tolerar quaisquer dificuldades e e preconceitos, essa, certamente, será uma pessoa de sucesso, que não mais será considerada louca, como muitos erroneamente são considerados.

Os sonhos são metas, que podem ser considerados objetivos, se trabalhados racionalmente, e podem vir a ser sua vida, plenamente, se você permitir que isso aconteça. Quantas pessoas você não conhece, que têm aquela consensualmente considerada uma "ótima vida", com emprego, família e moradia perfeitos, mas se diz incompleta? Ou pior, infeliz? Eu não sou uma pessoa muito vivida, para me colocar no status de referência, mas posso dizer que já ouvi algumas pessoas com a tal qualidade de vida excelentes, mas se dizendo completamente infelizes.

Vejam bem, essas pessoas de longe são ingratas com Deus ou com as possíveis pessoas que as puseram neste lugar. Não. As pessoas a quem me refiro são pessoas que puseram o dever para com a sociedade à frente de seus sonhos, porque não conseguiram, ou tiveram preguiça de tentar conciliar uma coisa com a outra. Deste modo, a vida que escolheram consumiram essas pessoas e elas não mais puderam seguir o caminho que haviam imaginado para si... Que talvez fosse um futuro bem mais concreto, se a pessoa tivesse simplesmente dito "sim, eu posso". Aquele mesmo "sim, eu posso" que nos fez rir ao assistir Eddie Murphy em O Professor Aloprado, pode ser o patético "sim" que vai salvar sua vida de frustrações desnecessárias (desnecessárias porque sim, você terá muitas frustrações, mas somente as focadas no seu real interesse lhe trarão o verdadeiro aprendizado e amadurecimento).

Da mesma forma, vale lembrar das pessoas que não tem nada na vida, porque simplesmente não consegue olhar para dentro de si, e descobrir quais são os seus sonhos. Vivem conforme a força gravitacional que a Lua exerce sobre a Terra, O sol, Marte, Vênus... Se brincar até Plutão entra no bolo para influenciar o pensamento dessas pessoas... Assim: elas ficam perdidas diante de tantas variações, e não conseguem nem se prender, nem terminar absolutamente nada do que começam, tornando-se pessoas vazias e infelizes.

Portanto, minha gente, hoje eu quero dizer que busquem os seus sonhos. Eles não serão fáceis de conseguir, pois a vida não tem que ser fácil. Se você não consegue vislumbrar qual o seu sonho, reserve mais tempo a você mesmo e se conheça, questione, busque, e descubra para quê você está nesse mundo. Avaliem suas atitudes, repensem seus caminhos, e pesem os prós e contras de cada decisão que tomou na sua vida. Não precisa abandonar tudo o que já construiu até hoje. Tente conciliar sua vida com seus sonhos... Ouça-os com atenção, certamente haverá uma resposta para essa problemática. E não desista nunca.

A Martinha não está morta, nem adormecida... Ela vive em meus sonhos todas as noites, e todos os dias em meu pensamento. E eu não me incomodo que sua hora demore a chegar um pouco, pois sei que estou sempre trabalhando ideias com esse sonho, e pondo em prática muitas coisas secundárias, que me levarão ao sonho de transformar a Martinha em algo digno de publicação nacional... Lembrem-se, gente. Sonhar não é sofrer de Sindrome de Peter Pan, é viver de forma mais leve... Eles apenas nos deixa mais joviais.

11 janeiro 2011


Ae!!! Finalmente, voltei ao Pilates! E já sinto que amanhã vou lembrar bem dele...
rsrsrsrs
Fiquei instigada para desenhar pessoal, mas o tempo ficou mais curto também, com o retorno do Pilates...
De qualquer modo... segue um desenho inacabado mesmo =D

10 janeiro 2011

Doce infância...


Mas sinceramente?! Aproveitei muito melhor as brincadeiras depois dos 20!

09 janeiro 2011

Here comes the sun...


Fica a dica, hein?! Se acharem que não vai chover... é bom usar roupa escura...
Se acharem que vai chover... optem por um guarda-chuva menos espaçoso...
A Lei de Murphy vai lhe contrariar; esteja certo disso.
Boa semana para vocês!

07 janeiro 2011

Não!

Hoje, não tem essa de não...
Hoje, não tem essa de desculpe...
Hoje, não vou me morder amiúde...

Hoje o sangue ferve forte!
Hoje as paredes viram destroços!
Hoje eu faço o que eu quero... porque eu posso!

06 janeiro 2011

Zencats


Sem muitas palavras... Apenas um estudozinho bobo com o Ilustrator... É bom para quem é daltônico, rsrsrsrs.

05 janeiro 2011

Síndrome de Clérambault

Tudo o que ela queria, era um pouco de luxo e mordomia...

Tudo o que ela queria, era que o marido não soubesse que ela traia...

04 janeiro 2011

Dona Lice


Dona Lice era acuada, uma pessoa de bem, mas com um comportamento que a fazia mal. Há quem diga que ela já foi uma garota meiga, esperta, linda de viver. Hoje as linhas de expressões percorriam toda a face evidenciando o seu nível de preocupação e desconfiança com o mundo.


Lice quase não tinha quase ninguém: namorado, esposo, filhos. Tinha apenas a irmã mais velha, a quem confiava e depositava toda a sua capacidade de soaciabilizar e de sentir. Mas até essa relação era complicada. Ora, Dona Lice sorria e bincava com sua irmã, ora a afastava com tom odioso de quem poderia chegar a matar.


A irmã mais velha nunca se importou de fato com tal comportamento: era uma pessoa desapegada demais com a família devido a um histórico assombroso de violência e excessos. Toda a família era louca, isso era fato.


As desventuras começaram cedo: a mãe tentou se matar ao descobrir a segunda gravidez. Achou que seria menos doloroso do que ter que fazer mais um parto normal. Acontece que ela não conseguiu se matar. Na verdade, não conseguiu sequer abortar a menina (sim, era Lice)... mas descobriu que os remédios antidepressivos que tomava na verdade eram placebos. O pai sempre foi uma pessoa calma. Até o dia em que o cachorro do vizinho resolveu morder a filha mais velha e ele acabou por mordendo o cachorro até a morte... Há quem diga que tudo o que ele queria apenas, era virar notícia... Fato é que hoje ele vive bem longe, mais precisamente na Coréia do Sul, onde abriu um restaurante especializado em boshintang.


Os avôs das meninas, depois dos surtos de seus descendentes, julgaram as meninas amaldiçoadas e resolveram colocá-las em conventos separados e trataram de tirar todos os contatos possíveis delas com a família, para que não houvesse a possibilidade de elas condenarem mais ninguém na família. A irmã mais velha, no entanto, sempre carismática e bondosa, conseguiu dobrar o coração da irmã que a aceitou, e conseguiu aos 18 anos resgatar a irmã caçula do outro convento, e puderam seguir a vida como uma família novamente, ainda que só de duas pessoas. Infelizmente ao final deste processo, Dona Lice já estava desgastada e rancorosa o suficiente para uma vida inteira. As irmãs do convento a tomaram como criada... os padres como amante.


Hoje Dona Lice está lá, sentada em seu banquinho da area, fumando seu Gudang Garam, de sabor e cheiro insuportáveis, enquanto aguarda a chegada da irmã. Está furiosa, como de costume. Não suporta mais o trabalho... Não suporta mais mudar de emprego... Não suporta nada. A irmã está demorando demais... Agora mais essa. Não pode demorar tanto! Mora a cinco minutos de sua casa! O celular não atende. Deve ser aquele cabeça chata de novo tomando seu tempo precioso com a irmã. Mas não importa, ela deve estar chegando...


As horas passam, e a situação permanece. Dona Lice já não tem cigarros para queimar o tempo e sua saúde, e também já não tem tempo para queimar aguardando sua irmã. Não é possível que ninguém lhe dê o menor sinal de vida! Quem ela pensa que é?! Se fosse algum problema alguém já teria ligado. Afinal de contas, ela é sua irmã! Eles não teriam a audácia de lhe esconder algo grave assim. Porque diabos ela não atende ao telefone?! Ah, quer saber?! Hoje Dona Lice vai mudar! Chega de depender dela! Chega de viver pra baixo porque os outros nunca ligam para ela... Chega de tentar ser sociável se nunca a compreenderão! Chega! Hoje ela vai ser diferente! Hoje ela vai mudar! Hoje ela...


- E aí, Chihuahuazinha querida! Esperou muito?! - grita a irmã no portão - Ricardo tomou um pouco do meu tempo hoje... sabe como são esses meninos, não é mesmo? Mas vamos deixar de papo e entra logo no carro! Tenho uma surpresa para você.


Ok... Talvez ela mude amanhã.

03 janeiro 2011

É tipo assim...

Bom dia, pessoas!
Estou meio sem tempo, mas achei um pensamento que tive hoje uma coisinha interessante e resolvi colocar aqui...
Como obrigação que me impus, rabisquei essas tranqueirinhas, só para não deixar, em nenhum dia da minha vida, exercitar a prática do desenho, por mais idiota que for esse rabisco... Beijão e feliz terceiro dia de 2011!


02 janeiro 2011

FELIZ 2011!!!

Sem mais detalhes... inventei de arrumar um desafio para mim... Basicamente me vi muito parada... Bom, meu blog está basicamente abandonado, portanto resolvi encarar como primeira promessa do ano atualizar o blog diariamente e trazer a Martinha de verdade de volta à ativa...
Além de ter um compromisso comigo mesma e com os garotos do livro "Humor Acima de Tudo" de retomar a escrita para o que vier de legal, rs.
Bom, obviamente já quebrei a promessa pois não postei ontem, rs... Mas o que importa é que ainda não desisti.
Enfim...

Obs.: A Martinha está brindando com uma garrafinha Ks de Pepsi... Eu jamais a drogaria mais do que isso...

Coleção Pingos de Quê - by Magaliana