23 julho 2010

GhostBuster Magali LTDA.

Olhei fixamente pros sacos voando na area, doida pra achar algum parecido com uma pessoa. Mas não era um saco, era uma pessoa. O vulto era uma pessoa, uma pessoa do sexo masculino que não consegui identificar. Aquele momento destruira meu bom senso e capacidade cognitiva. Ele me chamava de volta para o quarto, dizia que estava tudo bem e massageava meu ombro tentando me tranquilizar, mas eu sabia que não estava tudo ok.

Inquieta, voltei para o quarto, nos deitamos para assistir mais um desenho animado. Adormeci. Essa definitivamente não é uma coisa inteligente de se fazer quando se está em estado de choque. Era claro que a visão voltaria, agora pior, em forma de sonho, podendo aparecer um rosto, um gesto ou qualquer outra coisa que me deixasse ainda mais perturbada. Sempre tive sonhos muito reais, palpáveis, verossímeis. Um horror!

Certa vez adoeci simplesmente porque assisti Sexta-feira 13 e dormi logo em seguida. O resultado desse atrevimento foi eu sonhando com meu estômago dilacerado vagarosamente. Acordei vomitando tudo o que não tinha comido! Mas voltemos ao fato...

Tasquei grito de todo tamanho enquanto arranhava o coitado do namorado, deitado ao meu lado. O inocente não sabia o que fazia: se saia correndo do quarto ou se tentava me acordar daquela confusão. Acabou ficando.

O amor nem sempre é tão lindo assim. Foi nó cego convencer as pessoas de que aquele murro no olho esquerdo foi um acidente, e as unhadas nos braços foram na verdade algumas coisas que cairam por cima dele enquanto ele arrumava a despensa. Vi um um dia desses um cartão de visitas de um advogado com especialidade em violência doméstica no bolso da calça dele. Na certa foi a fulaninha que arrasta as asas para cima dele que entregou. Pobre de mim, eu nem sabia o que estava fazendo...

Bom, acordei. Levei uns cinco minutos para acordar de verdade, daí vocês imaginam o tamanho da briga. Voltando a mim, me deparo com aquela criaturinha de quase dois metros de altura, porte atlético, todo acuado, recolhendo um bocado de fio de cabelo na cama (talvez na tentativa vã de colocar de volta, ou para apagar as evidências mesmo) no outro lado da cama, perguntando com voz trêmula se eu estava bem. Fiquei com uma dó tão grande que só de lembrar dá vontade de chorar de novo. Tadinho do meu namorado. Acho que ele nunca apanhou assim na vida. E olhe que ele nem é pacato assim!

Depois de explicada a situação, fui cuidar do miserável espancado e ligeiramente careca em uma parte da cabeça (ainda bem que ele num conseguia ver, penteei o cabelo de um jeito que ele não notasse, pelo menos até que alguém do trabalho comentasse). O vidrinho de Merthiolate quase não dá para tanto arranhão, acho que seria mais simples dá logo um banho de óleo de cozinha de girassol, pra cicatrizar tudo, mas ia ser um desespero aguentar a catinga! Ué, está fazendo essa cara por quê?! Não sabia que nos grandes hospitais as pessoas usam esse óleo como cicatrizante, não? Pois saiba que funciona, e é obviamente muito mais barato do que comprar o remédio com a mesma funcionalidade (eu sei, também fiquei aborrecida quando soube, eles não diminuem nem um centavo da nossa conta por causa disso).

Passada a preocupação com o namorado voluntariamente espancado a nóia voltou. Quem diabo era aquele homem que estava lá fora? Voltei a revirar a casa atrás do destruidor de lares, arrastando o namorado junto, claro, e a cadela, que descobri ser o bicho mais inútil da face da Terra, pois não cheirou nada, nem latiu pra direção do infeliz quando ele apareceu... Cadê o sexto sentido que tanto falam que vem junto dos cachorros? Acho que o dela está fora do prazo de garantia. Enfim, não achamos nada. Mas ele estava lá! Eu vi! Ele estava olhando para a gente e se ele voltar, que se ligue! Porque meu aspirador de pó de mão foi adaptado que nem os dos GhostBusters! E pelos danos até hoje visíveis no meu namorado, eu TAMBÉM SEI LUTAR!

5 comentários:

Andre disse...

que tenso! :S

Formigando disse...

AUhUAhUAhUHAuA... aquele rolé dos sacos voando e Mel que num fez porra nenhuma!
KkKkkKKk
engraçado
amo-te mowzao!

Carol Garcia disse...

aaah é uma honra receber de você a palavra: BONS ESCRITOS, me senti uma pessoa que escreve super bem;;
e seu namorado já conhece os danos é, mulher má hein :)
obrigada msm
bjs *-*

Pry disse...

Minha nossa! Coitado do menino... eu achava que era violenta sonhando, mas vc ganhou de mim! Acho que se um dia eu espancar Guido assim, ele não vai ser tão compreensivo como seu namorado... Ah! Faz um cartãozinho de namorada psicótica e manda ele entregar pra guria que arrasta as asas pra ele. Ela vai entender o recado hihihihihi!
Bju! Muitooo massa seu blog!

Magali disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Um cartão de namorada psicótica é uma ótima ideia!
Valeu Pry!

Coleção Pingos de Quê - by Magaliana