15 dezembro 2008

Não vou pedir que fale comigo.
Não vou também abrir um sorriso.
Não vou tentar nenhum compromisso.
Não vou ignorar o que não consigo.

Não fale se não quiser.
Não pergunte se a dúvida vier.
Não sorria do que não quiser.
Não suporte a dor que lhe der.


Mas quando quiser, fale comigo,
Berre comigo, e até Grite comigo.
Só peço uma coisa: não seja inimigo.

4 comentários:

Formigando disse...

Berro, falo, sussuro... manso

"Eu, que sou o seu sorriso mais antigo"
Sou mais que seu amigo
Que ao te ver, sorri com olhos contentes
Fica dificil cerrar o que sobrepuja a mente

Sempre fui lugar de abrigo
Como poderia vir a ser inimigo?
Inimizo a expectativa lacinante
Aquela que dura mais que um instante

Contudo respeito claramente
Toda sua liberdade reluzente
E abrindo mais à verdade
Torço que nao nos encontremos muito tarde

Creio que pra dúvida nao há espaço
E se esse poema, pra mim foi seu dito
Nao me importa, sei que cabes perfeitamente em meus braços.
Até dentro deste meu poema mal escrito

RomMa disse...

Lindo o poema. É você que escreve?

http://congelandomeusmomentos.blogspot.com

Milla * disse...

Sabe, achei seu Blog por acaso, li seus versinhos e achei lindo, a rima não ficou forçada e no final todas palavras se encaixaram (o que é muito difícil pra quem não nasceu poeta, e fazer as palavras se encaixarem é o que eu tento todos os dias! :P). Eu ia sair de mansinho, como entrei. Mas li o seu texto 'Sobre amor' e foi impossível não comentar. Afinal, acabei de postar um texto falando sobre esse costumeiro sentimento. E pior, ainda falei sobre a dor, o sofrimento e toda aquela melação, vc sabe.

Só comentei pra não ser mais uma visita invisível. Desejo um final de semana repleeeeto de AMOR pra vc :D (não, brincadeira!) fui, beijão!

Sabrina Sanfelice disse...

Faça o que fizer
Mas, mesmo aos poucos,
Sempre,
Esteja.

É nesses pedaços
No fragmento de nós dois
Que somos
Existimos

Mesmo entre o zero e o um de qualquer mundo binário.

Beijos,

Coleção Pingos de Quê - by Magaliana