25 março 2008

O encontro

Foi a primeira vez desde a tragédia. Tragédia em que não se encontraram efetivamente, mas lançaram seu veneno, com efeito. O primeiro par encharcou de imediato, o outro esbugalhou. Diziam tanto e ao mesmo tempo nada. Não sabiam o que queriam ao certo.

Um passou a brilhar. Era ele, aquele sinal de novo. Aquele tão cobiçado que nunca mais o outro par havia percebido. Como era prazeroso e doloroso vê-lo. Novamente veio tarde demais. Franziu.

Pouco importa o que as bocas diziam. O cérebro não as conduzia, apenas os olhos. O corpo de um ainda manteve certa atenção, o suficiente para estender o braço. As terminações nervosas responderam ao ato desinteressadas. Nada passava pela mente do segundo par de olhos. Ele apenas constatava: o tal olhar estava lá. Brigou tanto por ele. Chegou tarde, novamente tarde. Não importava mais.

O outro par pensava constantemente. Tremia vermelho de tanto pensar, dizer. Mas se continha a muito custo. Sabia que de nada adiantaria. Alegrou-se por não estar vendo o tal olhar. Não o olhar que ele fazia, o outro. O maldito frio e confinador olhar raivoso típico do outro par naquela situação. Não, era um olhar assustado, sorridente e confuso. Mais leve.

As bocas cansaram, o corpo também. Fim de diálogo. Novamente mãos estendidas. Um par vai embora. Outro fica. Volta ao que estava fazendo. Tão cedo não vão se encontrar.

8 comentários:

Formigando disse...

Bem ímpar, esse ponto de vista.

Hemeterio disse...

M-a-r-i-a-n-a! Queria te dar um presentinho bobo, menina! Pode entrar em contato, please?

hemeterioarrobagmailpontocom

Antonio Ximenes disse...

Mariana.

Eu acho legal quando alguém já começa o texto em plena ação... os fatos sendo narrados com um ritmo sem intervalos.

Muito legal.

Gostei muito.

Moça... você tem o DOM !!!

Abração forte pra ti.

Clever Cesar disse...

O que fazer então? O sábio dirá que os pares deverão continuar em frente, cada um em sua jornada, cada par a seu modo distinto....

Psiques disse...

Sei do que vc está falando!! haha!
Entendi direitinho.
Vc sabe que adoro isso. Como já foi dito, tu tem o dom! Esplore, por favor, semrpe!;-)

AqueL disse...

Texto tenso do inicio ao fim.
O leitor nem percebe que pegou o bonde andando. Acho que pela identificação com a situação.
Gostei mesmo.

Anderson de Almeida disse...

Bem...
será que numa realidade distante
saberia eu a verdadeira face das letras empregadas nesses dizeres???
heheheh..
ô minina danada!!

Andréia disse...

adorei a menira que abordou o post...

beijos

Coleção Pingos de Quê - by Magaliana