14 junho 2007

Sexualidade no dia dos Namorados


Começa junho, se aproxima o dia dos namorados. O comércio se movimenta desde cedo. Roupas, doces e perfumaria com público certo: jovens casais. Atualmente, com produtos para confundir os sentidos: perfumes que lembram doces; cosméticos e roupas são comestíveis; comidas têm formatos ousados e brincam com a visão. O namoro de portão cada dia mais rápido é substituído pelos exercícios do amor. A cada ano que passa, as campanhas publicitárias apostam mais no apelo sexual no período do Dia dos Namorados, 12 de junho, véspera do dia de santo Antônio, o santo casamenteiro.
A estudante Kelly Trindade, 21 anos, afirma que a sexualidade deixou de ser um tabu com a facilidade de informação. Deste modo, o apelo sexual passou a fazer parte do cotidiano da população, permitindo que o comércio explorasse a libido das pessoas com maior ferocidade.
A comerciante que preferiu ser chamada de Camile, 18 anos, acha natural presentear o namorado com joguinhos amorosos, mesmo com apenas dois meses de namoro, mas se preocupa com as garotas de 12 ou 13 anos que estão começando a namorar: “essas meninas tão ficando ativas (sexualmente) rápido demais! Saem com pessoas bem mais velhas, daí muitas vezes acabam achando tudo normal, e abrem as pernas pra todo mundo!”.
Difícil situação. De um lado adolescentes conhecendo os conflitos amorosos pela primeira vez, expostos ao risco de se iniciarem sexualmente sem o devido preparo. De outro lado, jovens casais desfrutando de produtos ideais para compor o clima ideal da expressão maior do sentimento. Profissionais errantes estimulando a sexualidade verde dos novos amantes, ou crianças antecipadamente desenvolvidas,
pecando apenas por largarem um pouco mais cedo seus objetos lúdicos, em busca da experiência carnal?
Enquanto se propõe cozinhar biscoitos decorados, e elaborar cartões para revelar o sentimento pela pessoa amada em alguns países, no Brasil, empenha-se em amarrar o ser amado ou desejado pelas roupas, perfumes e produtos sensuais em uma noite romântica.
Não que seja errôneo. Seres humanos são acima de tudo seres vivos. E como seres vivos também têm além da razão, o instinto. Caso não o houvesse, não poderíamos procriar, não teríamos interesse em fazê-lo. O tabu ainda existe. As tradições cristãs, os costumes e o senso comum ainda julgam errônea a prática do sexo antes do casamento, e predominam nos diálogos e impressões a cerca dos fatos da população em geral. Ainda que cada vez mais a exploração deste tema garanta os altos índices de Ibope nas redes televisivas.
De qualquer modo é conveniente a preocupação. Embora haja a disciplina de educação sexual nas escolas, não há ainda controle e preparo psicológico para a nova fase. Ela diz que as sedutoras propagandas do Dia dos Namorados pecam não somente por cultuar a necessidade de estabelecer o contato sexual com o(a) parceiro(a), mas ainda a de gastar com algum objeto, onde acaba sendo depositado maior valor do que no sentimento em si.
Contudo, deve-se relevar a natureza atual das campanhas de dia dos namorados. O dia dos namorados no Brasil provém de estratégias de marketing. Duas são as hipóteses: teóricos dizem que surgiu da promoção pioneira da loja Clipper, realizada em São Paulo em 1948; ou a partir do publicitário João Doria,em 1950, com o slogan de apelo comercial que dizia "não é só com beijos que se prova o amor". A intenção de Dória era criar o equivalente brasileiro ao Valentine's Day - o Dia dos Namorados realizado nos Estados Unidos.

2 comentários:

Psiques disse...

Boa, Magalilesca... gostei da idéia, e nem sabia disso de puramente comercial... isso me alivia muito pq não presenteei com nadinha... rsrsrsr! Não tive tempo. :-)

mauricio_oliveira disse...

a doidinah ai eh pau! =P

Coleção Pingos de Quê - by Magaliana